jusbrasil.com.br
16 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
Sexta Turma
Publicação
28/08/2014
Julgamento
20 de Agosto de 2014
Relator
Marcos Cavalcante
Documentos anexos
Inteiro TeorTRT-1_RO_00012237420125010014_4724f.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Marcos Cavalcante

Av. Presidente Antonio Carlos, 251 11o andar - Gab 03

Castelo RIO DE JANEIRO 20020-010 RJ

PROCESSO: 0001223-74.2012.5.01.0014 - RTOrd

Acórdão

6a Turma

SALÁRIO “POR FORA”. ÔNUS DA

PROVA. Incumbe ao empregado o ônus da prova do recebimento de salário extra recibo, por ser fato constitutivo do seu direito (art. 818 da CLT e 333, inciso I, do CPC).

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de recurso ordinário nº TRT-RO- TRT-RO-0001223-74.2012.5.01.0014, em que são partes: MARCELO PEREIRA MATTOS , como recorrente, e CURSO PERSPECTIVA LTDA. , como recorrido.

VOTO:

I - R E L A T Ó R I O

Trata-se de Recurso Ordinário interposto pelo trabalhador a empresa às folhas 80/81-verso em face da r. decisão proferida às folhas 74/75-verso, pelo MM. Juiz do Trabalho Marco Antonio Belchior da Silveira, da 14ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, que julgou parcialmente procedente o pedido.

Contestação às folhas 28/31.

Realizadas audiências conforme atas de folhas 48 e 73.

Prova oral às folhas 70/71.

O trabalhador sustenta que faz jus à indenização substitutiva pela não concessão do vale-transporte, bem como à integração do salário recebido “por fora”.

Contrarrazões às folhas 108/109.

Os autos não foram remetidos à Douta Procuradoria do Trabalho por não ser hipótese de intervenção legal (Lei Complementar no. 75/1993) e/ou das situações arroladas no Ofício PRT/1ª Reg n. 214/13-GAB., de 11.03.2013.

É o relatório.

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Marcos Cavalcante

Av. Presidente Antonio Carlos, 251 11o andar - Gab 03

Castelo RIO DE JANEIRO 20020-010 RJ

PROCESSO: 0001223-74.2012.5.01.0014 - RTOrd

II - F U N D A M E N T A Ç Ã O

1. CONHECIMENTO

Conheço do recurso, por presentes os pressupostos de admissibilidade.

2.MÉRITO

DO VALE-TRANSPORTE – DOU PROVIMENTO.

O trabalhador sustenta que ao alegar fato extintivo do seu direito, competia à empresa comprovar que o reclamante renunciou ao direito de receber o vale-transporte. E, por não ter se desincumbido do encargo processual que lhe cabia, deve a empregadora ser condenada ao pagamento de indenização substitutiva ao vale-transporte.

O pedido foi julgado improcedente, pois entendeu o Juízo a quo que o trabalhador não se desvencilhou do ônus probatório quanto ao preenchimento dos requisitos para recebimento do vale-transporte (folha 74-verso).

Analiso.

A empregadora tentou esquivar-se da obrigação de pagamento de vale-transporte ao argumento de que o trabalhador “disse possuir meios próprios de locomoção e que não era de seu interesse sofrer o desconto referente ao benefício do vale-transporte” (folha 30) e, ainda, que “assinou documento declarando que não necessitava de vale-transporte” (folha 108-verso).

Entretanto, compulsando os autos, verifica-se que nenhuma prova trouxe a empresa de sua alegação, encargo que lhe incumbia, na forma do artigo 818 da CLT e 333, inciso II, do CPC.

O vale-transporte é devido pelo empregador, pessoa jurídica ou natural, ao empregado, para despesas com transporte no deslocamento residência-trabalho e vice versa, nos termos do artigo da Lei nº 7.418/85.

É preciso registrar que vige no direito do trabalho o princípio da irrenunciabilidade dos direitos. Portanto, o empregador ao alegar a renúncia, pelo trabalhador, ao direito de receber vale-transporte, atrai o ônus de comprovar tal

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Marcos Cavalcante

Av. Presidente Antonio Carlos, 251 11o andar - Gab 03

Castelo RIO DE JANEIRO 20020-010 RJ

PROCESSO: 0001223-74.2012.5.01.0014 - RTOrd

afirmativa (artigo 818 da CLT). Assim, em que pese o entendimento esposado na sentença, deve ser observado o princípio da aptidão para a prova, incumbindo ao empregador a demonstração quanto à renúncia ou mesmo a desnecessidade do empregado na percepção do benefício.

Nesse sentido a jurisprudência do C. TST, que, inclusive, cancelou, pela Resolução 175/2011 (publicada em maio de 2011), a Orientação Jurisprudencial nº 215, da SDI-1, do C. TST, cujo entendimento atribuía ao empregado o ônus de demonstrar a satisfação dos requisitos indispensáveis à obtenção do vale-transporte, verbis:

“RECURSO DE REVISTA DA RECLAMADA. 1. VALETRANSPORTE. INDENIZAÇÃO. ÔNUS DA PROVA. Este Colendo Tribunal Superior do Trabalho, por meio da Orientação Jurisprudencial nº 215 da SBDI-1, entendia ser ônus do empregado provar o

preenchimento dos requisitos

indispensáveis à obtenção do valetransporte. Contudo, revendo seu posicionamento, referida Orientação foi cancelada. Desse modo, pela própria teoria da distribuição dinâmica do ônus da prova, é notório que se apresenta mais propício ao empregador comprovar que o empregado não satisfez os requisitos para a concessão do vale-transporte que ao trabalhador provar que o satisfez. Nesse contexto, incumbe à reclamada a prova de que o reclamante não satisfazia os requisitos para a concessão dos valestransporte, ônus do qual não se desincumbiu. Recurso de revista não conhecido. (TST – RR: 1179004920085030152

117900-49.2008.5.03.0152, Relator:

Guilherme Augusto Caputo Bastos. Data de julgamento: 26/6/2013. 5ª Turma)

No caso em tela, como se viu, a não há prova nos autos a respeito de tal renúncia pelo acionante, razão pela qual merece reforma a sentença.

Dou provimento ao apelo para condenar a empresa ao pagamento da indenização substitutiva do vale-transporte, observando os valores e quantidades indicadas pelo trabalhador à folha 05 da inicial, considerando que estes não sofreram

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Marcos Cavalcante

Av. Presidente Antonio Carlos, 251 11o andar - Gab 03

Castelo RIO DE JANEIRO 20020-010 RJ

PROCESSO: 0001223-74.2012.5.01.0014 - RTOrd

impugnação.

DO SALÁRIO PAGO “POR FORA”

Sustenta o recorrente que a prova oral confirmou o recebimento do salário “por fora” pelas aulas ministradas nas turmas preparatórias, bem como no pré-vestibular noturno e na coordenação da monitoria.

O pedido foi julgado improcedente, entendeu o Juízo a quo que o autor não se desincumbiu do ônus da prova que lhe competia e que o depoimento de folha 71 não serviu para esclarecer as alegações do trabalhador (folha 74-verso0.

Analiso.

O trabalhador disse que a partir de 2010 passou a receber pagamento “por fora” pelas aulas ministradas no curso preparatório para escolas militares, no pré-vestibular do período noturno, nas turmas de aprofundamento do turno vespertino, bem como pela coordenação da monitoria (folhas 04 e 05).

Negado em defesa o pagamento de valores além dos consignados nos contracheques, incumbia ao trabalhador a prova do fato constitutivo do seu direito, na forma do artigo 818 da CLT (folha 29).

A única testemunha, ouvida à folha 71, nada esclareceu sobre o assunto. Disse que:

“trabalhou na época do autor; que na época o depoente estava lotado na Barra, e o autor trabalhava em Madureira e na Tijuca; que geralmente encontrava com o autor 2 vezes por mês; que o depoente era responsável pelas planilhas de pagamento dos professores e monitores; que o autor era monitor, depois passou a professor; que não sabe dizer quando o autor passou a ser professor; que o curso regular previa o valor de 1 horas aula; que nos cursos preparatórios o cálculo de retribuição levava em conta o número de alunos; que não sabe quais valores eram lançados no contracheque; que não sabe se o autor tinha contracheque nem o que vinha lançado neles; que se o autor tivesse falta

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Marcos Cavalcante

Av. Presidente Antonio Carlos, 251 11o andar - Gab 03

Castelo RIO DE JANEIRO 20020-010 RJ

PROCESSO: 0001223-74.2012.5.01.0014 - RTOrd

injustificada havia desconto no salário; que o autor deu aulas no pré-vestibular noturno, bem como no curso regular e curso preparatório; que sabe que o autor exerceu a função de coordenador de monitoria, acredita que foi em 2010, mas não sabe por quanto tempo perdurou essa função”

Cumpre salientar que a valoração da prova é regida pelo princípio do livre convencimento motivado. O ordenamento processual concede ao órgão jurisdicional a possibilidade de livre apreciação da prova desde que explicite os motivos que o levaram às suas conclusões. É o disposto no artigo 131 do CPC. Por conseguinte, ninguém melhor do que o juiz que colheu a prova oral para aferir a sua credibilidade.

Pelo exposto, como bem entendeu a sentença, não restou provada a percepção pelo recorrente de salário “por fora”.

Nego provimento .

III - D I S P O S I T I V O

ACORDAM os Desembargadores que compõem a 6ª Turma

do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, por

unanimidade, em conhecer do recurso ordinário interposto e, no

mérito, por unanimidade, dar-lhe parcial provimento para

condenar a empresa ao pagamento da indenização substitutiva do

vale-transporte, nos termos do voto do Exmo. Sr. Desembargador

Relator. Mantido o valor atribuído à condenação.

Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2014.

Ma r c o s Ca v a l c a n t e

Desembargador Relator

MC /ld

Disponível em: https://trt-1.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/136612767/recurso-ordinario-ro-12237420125010014-rj/inteiro-teor-136612863

Informações relacionadas

Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região TRT-1 - Recurso Ordinário: RO 01149005720095010024 RJ

Tribunal Superior do Trabalho
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal Superior do Trabalho TST - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA: AIRR 1000794-22.2016.5.02.0435

Audrey Pizarro Castilha, Advogado
Notíciashá 4 meses

Atualização do Salário Mínimo