jusbrasil.com.br
21 de Janeiro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
Primeira Turma
Publicação
14/04/2014
Julgamento
1 de Abril de 2014
Relator
Gustavo Tadeu Alkmim
Documentos anexos
Inteiro TeorTRT-1_RO_00001276920135010020_1dcf5.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Gustavo Tadeu Alkmim

Av. Presidente Antonio Carlos,251

Castelo Rio de Janeiro 20020-010 RJ

PROCESSO: 0000127-69.2013.5.01.0020 - RO

Acórdão

1a Turma

MULTA ART. 477 DA CLT . A homologação tardia do distrato, por impedir que o trabalhado perceba na sua integralidade os direitos rescisórios, acarreta a incidência da multa prevista no § 8º do art. 477 da CLT.

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de Recurso Ordinário, em que são partes ALEXANDRE VALENTIM DA GAMA , como recorrente, e CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SENADOR DANTAS, como recorrido.

Recorre o reclamante, fls.206/215, inconformado com a decisão de fls.203/204, proferida pela Juíza Cissa de Almeida Biasoli, da 20ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, que julgou improcedentes os pedidos.

Suscita inicialmente a aplicação da pena de confissão à reclamada, porque não foi assinada a contestação. Em seguida, afirma que o depoimento da testemunha foi tendencioso, não servindo como meio de prova para amparar o indeferimento do seu pedido de horas suplementares. Diz que os cartões de ponto anexados pela reclamada, além de não refletirem a jornada de trabalho efetivamente desenvolvida, não correspondem nem a metade dos períodos trabalhados, devendo, portanto, ser acolhida a sua pretensão, com base nos assentamentos lançados na inicial. Quer ver deferida a multa prevista no artigo 477 da CLT, alegando que a homologação do distrato se deu fora do prazo legal, opondo a reclamada a data de saída em 26/01/2012, quando na realidade, sua dispensa ocorreu em 19/01/2012. Prossegue seu recurso almejando o deferimento do pedido de diferenças do FGTS. Alega que a reclamada não se desvencilhou do seu ônus da prova, na medida em que a documentação anexada não alcança todo o período trabalhado. Por fim, busca o deferimento dos honorários advocatícios e de dano moral, este, em razão das irregularidades praticadas pela reclamada que alega ter gerado abalos em sua esfera de

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Gustavo Tadeu Alkmim

Av. Presidente Antonio Carlos,251

Castelo Rio de Janeiro 20020-010 RJ

PROCESSO: 0000127-69.2013.5.01.0020 - RO

sentimentos.

Dispensado do recolhimento das custas.

Contrarrazões, fls.218/222.

É o relatório.

V O T O

PRELIMINAR DE NÃO CONHECIMENTO DO RECURSO SUSCITADA EM

CONTRARRAZÕES

Rejeito. As razões recursais sugerem violação ao princípio da dialeticidade (ou discursividade), consistente na obrigação de o recorrente apresentar razões e argumentos recursais que fundamentem o seu inconformismo com a decisão guerreada.

No entanto, diverso do sustentado, o reclamante de forma singela, porém suficiente, apresenta argumentos que atacam os fundamentos da sentença, devolvendo ao Tribunal o conhecimento da matéria impugnada.

] Conheço, pois, do recurso apresentado.

CONFISSÃO

Nego provimento. Na Justiça do Trabalho a contestação deve ser apresentada na forma verbal ou escrita em audiência e pessoalmente pelo réu -art. 847 da CLT ou por seu preposto - art. 843, parágrafo 1º, da CLT, logo, a apresentação da referida peça, sem a assinatura do advogado em nada prejudica o seu recebimento, sendo o vício sanável, porquanto a peça escrita, se constitui em mera formalização da contestação aduzida em audiência pessoalmente pelo reclamado, independentemente de quem as tenha redigido. Cabe ressaltar, que a OJ 120 da SDI-1 do C. TST se refere a petições de recurso, apresentadas via protocolo ou eletronicamente, cuja assinatura se torna necessária à aferição dos poderes do subscritor, nada se assemelhando ao ato de contestar em reclamações trabalhistas.

No mesmo sentido já se pronunciou a Egrégia 7ª Turma deste Regional, a

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Gustavo Tadeu Alkmim

Av. Presidente Antonio Carlos,251

Castelo Rio de Janeiro 20020-010 RJ

PROCESSO: 0000127-69.2013.5.01.0020 - RO

saber:

EMENTA: RECURSO ORDINÁRIO. RECURSO DA RECLAMADA. CONTESTAÇÃO SEM ASSINATURA DO PATRONO DA RECLAMADA. DOCUMENTO COM IRREGULARIDADE SANÁVEL. Não há que considerar a contestação apócrifa, uma vez que o patrono da reclamada apresentou sua defesa escrita na audiência do dia 23/08/2013. Naquela ocasião, se tinha ciência da autoria daquele documento com irregularidade, que poderia ter sido sanada a época. Recurso parcialmente provido. (PROCESSO: 0000393-76.2011.5.01.0036 – RO. Relator Desembargador Bruno Losada Albuquerque Lopes).

HORAS EXTRAS

Melhor sorte não assiste ao reclamante a almejar a reforma do julgado no que tange ao indeferimento do pedido de horas extras.

De início, deve ser destacado, que a juntada dos controles de frequência em sua totalidade se tornou desnecessária, em razão da afirmação contida na inicial, no sentido de que os assentamentos do ponto não eram idôneos, o que afasta a possibilidade de confissão.

Por outro lado, a prova testemunhal, fl.201, contrariando os termos da inicial, confirmou que o reclamante desempenhava suas tarefas dentro dos parâmetros defendido pelo empregador.

Nessas circunstâncias, correta a sentença ao indeferir a pretensão.

MULTA ART. 477 DA CLT

Busca o reclamante o deferimento da multa prevista no § 8º do ART. 477 da CLT. Alega que a homologação da rescisão se deu após a o prazo legal,

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Gustavo Tadeu Alkmim

Av. Presidente Antonio Carlos,251

Castelo Rio de Janeiro 20020-010 RJ

PROCESSO: 0000127-69.2013.5.01.0020 - RO

opondo a reclamada data de encerramento do contrato de trabalho diversa da realidade dos fatos.

Dou provimento. Embora não tenha sido comprovado o encerramento do contrato de emprego em data anterior ao registro lançado, o termo rescisório de fl.90 confirma que a quitação das verbas resilitórias se deu fora do prazo legal, ocorrendo em 01/03/2012, quando o contrato foi extinto em 26/01/2012, sendo o aviso prévio indenizado.

Devida, portanto, a multa postulada.

DEPÓSITOS DO FGTS

O reclamante recebeu as guias do FGTS, e o documento de fl. 93 comprova os depósitos na conta vinculada. Não percebeu o recorrente, ao criticar o documento, que o extrato não se limita a julho/2011 e janeiro/2012, pois havia saldo anterior.

Nego provimento.

DANO MORAL

Sem razão o recorrente ao se insurgir contra o não deferimento do dano moral.

A moral, é um atributo da personalidade. O dano moral, em consequência, é aquele que afeta à própria personalidade humana. Nessa ordem, não há como se admitir que o inadimplemento de verbas trabalhistas, pura e simplesmente tenha deixado conseqüências danosas à integridade moral do trabalhador.

Por mais lesivas que tenham sido as lesões noticiadas, não passaram do campo material e serão devidamente reparadas no momento oportuno, tendo o reclamante a plena satisfação dos seus interesses.

HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS.

Nego provimento. O reclamante não se encontra assistido pelo sindicato de

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

Gab Des Gustavo Tadeu Alkmim

Av. Presidente Antonio Carlos,251

Castelo Rio de Janeiro 20020-010 RJ

PROCESSO: 0000127-69.2013.5.01.0020 - RO

classe representante de sua categoria profissional, tampouco alegou miserabilidade jurídica.

Por outro aspecto, o artigo 791, da CLT não foi revogado pelo artigo 133 da Constituição da República de 1988.

Assim, não tendo sido extinto o ius postulandi das partes no Judiciário Trabalhista, somente serão devidos honorários de advogado na hipótese prevista na Lei 5.584/70. Nesse sentido, o entendimento jurisprudencial consagrado pela Súmula 329, TST.

A C O R D A M os Desembargadores da 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, por unanimidade, dar provimento parcial ao recurso para condenar a reclamada ao pagamento da multa estabelecida no § 8ª do art. 477 da CLT. Inverte-se o ônus da sucumbência. Alterado o valor da condenação para R$ 800,00.

Rio de Janeiro, 1 de Abril de 2014.

Gustavo Tadeu Alkmim

Desembargador Relator

Disponível em: https://trt-1.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/116589542/recurso-ordinario-ro-1276920135010020-rj/inteiro-teor-116589575